Acessório acompanhava cartas com códigos de barras aonde era possível escanear e assim conseguir itens, power-ups e melhorar o ataque, defesa ou agilidade dos personagens em diversos jogos. O acessório era exclusivo do Japão e virou febre nas escolas!

Em 1991 no Japão e nos Estados Unidos, uma das melhores manias foi o recém-lançado mini-game Barcode Battler LCD. Este sistema autônomo apresentou um scanner de código de barras incorporado ao qual você lê cartas de heróis e inimigos para lutar. Também podem ser escaneados itens adicionais e power-ups, todos os quais somando ou subtraindo números simples ao jogo, composto por três valores, ataques, defesa e energia.

Barcode Battler

Embora rudimentar, o charme do Barcode Battler estava dentro de sua capacidade de escanear quase qualquer código de barras que você pudesse encontrar. Os intervalos da escola logo foram inundados com crianças trocando recortes de códigos de barras de pacotes de salgadinhos, molho de tomate, latas em conserva e qualquer coisa que tivesse um código de barras, tudo na caçada ao guerreiro perfeito – o verdadeiro Barcode Battler. Foi um produto muito famoso por lá e é improvável que outra mania tenha levado os filhos a rasgarem as embalagens de tudo o que puderem encontrar, e depois executando-a através de um pequeno slot em um portátil.

Melhorando o que já era bom!

Apenas um ano depois que essa moda passou, a Namcot (atual Namco Bandai) combinou essa tecnologia imprescindível com um dos produtos mais interessantes. Assim surgiu um acessório adicional para o Game Boy, o Barcode Boy. O portátil da Nintendo tinha mais capacidades que o Barcode Battler LCD original e tinha muito mais para oferecer. Conectando-se ao Game Boy através do Cabo Link, diferentes cartuchos poderiam ser comprados para uso com o acessório para fornecer novas experiências para escanear códigos de barras, todos complementados por imagens visíveis anteriormente que não eram possíveis em mini-games portáteis básicos.

Acessório Barcode Boy (Namcot)

Apesar de da mania ter sido muito popular, este acessório impressionante e os jogos que acompanham nunca saíram do Japão. Como resultado, o kit já se sumiu na obscuridade e se tornou um acessório raro e curioso na mão de grandes colecionadores (ao lado do acessório Dance Dance Revolution feito para Game Boy Color).

Jogando / Emulando o Barcode Boy hoje

Esta rápida introdução ao Barcode Boy nos leva ao tópico importante da emulação. Antes de 2017, os dois jogos compatíveis lançados (Monster Maker e Battle Space) eram quase inúteis para jogar sem o acessório original, uma vez que, sem um scanner de código de barras, a jogabilidade era um pouco limitada. No entanto, dois emuladores supostamente ofereceram suporte para o Barcode Boy (KiGB e GEST), mas, sua maneira de lidar com o fato de um scanner estar ausente do jogo era alimentar os jogos de dados aleatórios para simular um código de barras que estava sendo digitalizado.

Infeliz com esta falta de compatibilidade e emulação precisa, o preservacionista e programador Shonumi recentemente levou publicou em seu blog um artigo explicando como será emulado o acessório. Shonumi começou a analisar como o scanner enviou dados de volta para os cartuchos do jogo através do cabo original do Game Boy.


Com seus estudo e um plano de ação estabelecido, ele conseguiu a façanha de conseguir interpretar como o acessório original para o Game Boy faz a leitura dos códigos de barras, Shonumi começou a adicionar funcionalidades em seu emulador GBE + para carregar códigos de barras para jogar no meio do jogo. Isso pode ser feito convertendo os códigos de barras em arquivos binários que são simplesmente carregados para o emulador quando necessário. Isso significa que os jogadores curiosos por este acessório único, podem finalmente experimentar uma reprodução autêntica, embora não seja um código de barras, do complemento curto de Namcot para Game Boy.

Legenda

E tem mais, no seu blog, Shonumi anunciou que está criando mais uma emulação de mais um acessório exclusivo no Japão para o Game Boy Color e que é o mais curioso acessório que ele já usou. Resta-nos esperar para ver qual é o acessório.

RevisãoSiggyKun
FonteShonumi
Próximo Artigo
Dez coisas para fazer em Johto antes de...


Comentários


SiggyKun

Um retro-gamer louco e apaixonado por 8-Bits, pixel-art e um leão. Sou fissurado por emuladores, que foi aonde eu adquiri paixão total pelos portáteis. Meu primeiro contato real com um Game Boy foi aos 20 anos onde ganhei um com Pokémon Yellow. Sou pai de um Nintendo 2DS, um PSP e um Game Boy Pocket que é o meu xodó!


Compartilhe