Um Game Boy Color amarelo foi dar uma passeada pela BGS 2019 e encontrou um bocado de gente legal! Vem ver com a gente!

Olá pessoal! Começo essa matéria, que será descontraída, destacando minha felicidade em voltar a escrever no Game Boy Club após tanto tempo ausente. Sempre participei muito de nosso Blog, inclusive na sua criação há alguns anos atrás, mas devido a rotina de trabalho que tenho encarado nos últimos anos acabei me distanciando das atividades da nossa plataforma, mas nunca esqueci do carinho que o fãs tem pela nossa página e pelo site. Mas antes de continuar é melhor eu adequar; não se trata de uma matéria, mas sim de um relato de um viajante através dos corredores da BGS 2019.

Então vamos começar

Antes de detalhar as aventuras do meu Game Boy Color amarelo pelos estandes da BGS, eu gostaria de destacar o grande atrativo da Brasil Game Show: OS JOGADORES!

Telão LED exibindo as principais atrações do dia na BGS.
A entrada, sempre lotada, com os anúncios do dia no telão.

Durante os dias em que passei no evento pude conhecer pessoalmente muitas pessoas que já conhecia do meio Retrô há anos, desde fóruns, sites e grupos do Facebook. Além dos amigos que pude conhecer finalmente, ao longo das inúmeras filas que a gente enfrentava para jogar, mais pessoas se conheciam, times eram formados para as partidas e realmente não se observa tretas ou Console Wars exacerbadas. Era gente com camisa de Xbox no estande do Playstation, camisa da Nintendo no estande da Microsoft e por aí vai, o foco era JOGAR VIDEO GAMES. Uma experiência legal que tive foi com uma galera Hard Core jogadora de Gears e streamers da Mixer que formaram um time comigo para tentar caçar o brinde que eu daria para um amigo que mora longe e não pode ir na BGS: Sensacional! E isso meus amigos, me fez lembrar lá de meados de 2012 quando comecei o Game Boy Club com o Edu, dois caras que não se conheciam, que tinham um gosto em comum pelos portáteis da Nintendo e se uniram para manter viva essa memória do universo Player (aliás vocês não me verão falar Gamer, vou discutir esse conceito em breve num artigo).

E o Game Boy nisso tudo?

Posso dizer que meu Game Boy Color amarelo, com minha fita de Pokémon Yellow, cujo save foi preservado em backups desde 2000 foi sem dúvida o grande companheiro de BGS. Onde eu ia ele estava pendurado no meu pescoço e a reação que ele provocava nas pessoas era sempre de um sorriso e curiosidade!

Os mais velhos me paravam, perguntavam se ainda funcionava, contavam suas histórias com o Game Boy e ficavam felizes ao ver o pequeno portátil vivo em meio aquela feira habitada pelos hardwares mais potentes do mercado. E a mulecada nova?

Game Boy Color edição amarela jogando Pokémon Yellow.
O Game Boy Color sobreviveu aos 4 dias de Feira utilizando um total de 6 Pilhas Duracell

Aí que lembrei do objetivo inicial do Game Boy Club: manter vivo o nosso portátil. Ao longos das filas no estande da Nintendo o GBC amarelo passou pelas mãos de muitos jogadores! E a criançada que não viveu a época do Game Boy se surpreendeu com o portátil. Um garotinho me pediu pra jogar e ficou espantado quando deixei. Ele disse que nunca tinha visto um Game Boy ao vivo, tampouco funcionando. Ao ligar o GBC: ——————.

O garoto assustado que não ligou atentamente olhou minha ação: Tirei a fita, dei aquela assoprada!

Ele indagou:

-Isso realmente funciona?

Respondi para ele tentar ligar e : Plin!!! Aquele barulhinho clássico do GBC tomando vida!

O garoto que não viveu a era dos cartuchos viu o que ele talvez achasse ser um Meme acontecer bem na sua frente!

Isso realmente funciona?

Garoto assustado ao ver um Game Boy Color.

Mas vamos largar o saudosismo um pouco de lado e falar um pouco da Nintendo e deus fãs na BGS?

O Estande da Big N no evento era um espetáculo a parte! Não teve um dia que as filas não estivesse abarrotadas de gente querendo tirar fotos com os personagens, painéis e até mesmo uma foto oficial com os iniciais dos novos jogos da franquia preferida dos portáteis Nintendo (qual seria?).

Diversas estações de Nintendo Switch estavam montadas, ou seja, testávamos ele me modo Dock, como um console tradicional e podíamos jogar desde Mario Kart 8 Deluxe, Mario Maker 2, Super Smash Bros a Zelda: Link’s Awakening, Mas sem sombra de dúvidas o grande destaque do estande era Luigi’s Mansion 3. O Jogo que acabou de ser lançado no dia 31 de outubro, era uma exclusividade durante a feira, e os jogadores brasileiros estiveram entre os primeiros no mundo a poder testar o caprichado jogo do Mario Verde. Confesso que essa fila foi bem pesada, mas durante ela esbarrei com mais dois gbzeiros, que estavam portando GBA e passando o tempo. Muita gente ficava com inveja, pois os portateis eram a solução ao longo das filas, de GB ao Switch eles pareciam está em seu habitat natural.

Esse jogo está perfeito!

Outro grande destaque da Big N na feira, foi a presença do carismático Charles Martinet, a voz do bigodudo mais querido do mundo desde Mario 64. Ele marcou presença em quase todos os dias nos Meets no estande da Intel e também teve o seus Meet em casa, no Estande da Nintendo. Não foi a primeira vez dele no Brasil, mas foi minha primeira oportunidade de chegar perto desse mito e confesso que fiquei nervoso. Levei meu Super Mario Advance 4 ( Super Mario Bros 3) e meu DMG-01 na caixa para receber o autógrafo dele. Ele ficou espantado ao ver o tijolão na caixa e pediu até para abrir e olhar! Simpatia sem limites e o melhor: ele fala com você o tempo inteiro fazendo a voz do Mario!!! Eu não sabia se chorava , se só escutava ou sei lá o que…Foi sem dúvida um dos dias mais legais na minha trajetória com games e até escrevendo essa matéria fico emocionado lembrando.

Olha o Game Boy aí!

Infelizmente a BIG N não manifestou sua volta ao Brasil de forma mais robusta, mas acredito que esse estande sem dúvidas foi um grande teste para dias futuros!

Outros Mitos que o Game Boy Amarelo conseguiu alcançar

Uma das grandes experiências dessa edição da Brasil Game Show , sem dúvidas foi o casting de convidados. Foram vários, desde o criador do lendário ET de Atari aos atores que deram forma e voz ao trio marginal de GTA V. Mas para mim pessoalmente, além do Charles Martinet, foi a a oportunidade de agradecer pessoalmente a três caras que sempre admirei na indústira dos Games. O primeiro que consegui contato nos Meets da Intel foi o carismático Yoshinori Ono. O cara é uma figura, sempre muito simpático e com seu inseparável bonequinho do Blanka deu uma atenção fantástica a cada fã que ficou na fila. Ono trouxe para a BGS um poster exclusivo, que foi autografado durante o evento. Além disso consegui aquele autógrafo maroto no Ultra Street Fighter V de PS4 (fugidinha do tema). OBS: Ainda saí na foto no Twitter oficial dele lá no gradil entre os primeiros que buscavam o autógrafo!

O segundo cara que eu consegui conhecer graças ao evento é simplesmente o meu maior ídolo na indústria dos jogos: John Romero, o pai de Doom. Esse cara sacrimentou o genêro FPS além de ter criado clássicos imortais, dentre os quais está Doom, um jogo que chega ser quase minha religião. Foi sem dúvida aí o ápice do evento para mim, uma pena que eu não tenho mais minha edição de Doom para GBA, pois queria uma autógrafo nela, mesmo assim consegui no poster que levei. Tem dois caras que eu queria conhecer na indústria dos games: um é o Romero o outro é um tal de Myamoto… Ou seja 50% meus achievements concluídos.

No último dia de BGS fui em busca de outra lenda, Ed Boon, a mente por trás de Mortal Kombat! O Meet dele foi super disputado e confesso que fiquei com pena, pois não deu para todo mundo. Eu praticamente madruguei na fila desse meet e fui novamente um dos primeiros e consegui aquela assinatura caprichada no Steel Book de MK 11.

John Romero, Yoshinore Ono e Ed Boon

E quem esteve presente em todas essas fotos? O GBC amarelinho, levando sempre a presença do portátil a cada momento na BGS 2019.

Velha Guarda!

Jogador das antigas não se sentiu de fora na BGS 2019. A área dos Arcades e Pinballs estava simplesmente espetacular, confesso que os 4 dias que fui no evento não foram o suficiente para aproveitar tudo! Disputas acirradas de The King of Fighters e Street Fighter rolava a todo momento, com aquele clima de torcida agorente doido para que você perca para dar lugar ao próximo!! Só faltou o balcão do boteco… Eu mesmo passei algum tempo com um brother que conheci la e fechamos o meu arcade preferido: Cadillacs and Dinosaurs.

Aquele clássico dos botecos!

Outro lugar especial da feira era a área onde encontrava-se os estandes da VGDB, que montou um clássico quarto dos anos 80/90 e fazia você viajar no tempo.

Ao lado estava o estande dos nossos amigos da WarpZone, também marcando presença com a Revista Jogo Véio, que são sem dúvida as duas revistas do coração da equipe do Game Boy Club, foi muito legal vê-los no evento, pena que foi corrido!

O estande da WarpZone era o ponto de encontro dos colecionadores de revistas!

Lá na WarpZone no domingo teve também a presença de um cara que ao meu ver é o grande mestre da restauração e mods de console no Brasil. O Grande Fernando Santos ( Nando Games) levou essas verdadeiras obras de arte, que vão além do campo estético para também funcional, com circuitos fielmente trabalhados e desenvolvimento de componentes da adaptação gráficas em tvs da atualidade. Eu sempre fui fã do Nando Games, desde que entrei no colecionismo, e ver as obras dele ao vivo é sem dúvida uma experiência a parte, uma pena que nesse dia eu tava sem tanto tempo e não pude trocar uma idéia com ele, mas deixo aqui a pergunta caso ele leia a matéria: Quando vai rolar um Game Boy com sua Assinatura?

OS fantásticos consoles modificados do Nando Games

Outra figura sensacional que caprichou para a BGS foi o grande Rafael Fahel do Canal Mão na Luva! Nós do Game Boy Club sempre acompanhamos o trabalho dele e postamos em nossos canais, pois sem dúvida ele um grande cientista maluco dos portáteis no Brasil! O Mão na Luva fez uma cobertura sensacional da BGS utilizando a Game Boy Camera, confiram no Instagram dele, pois está demais!

Mão na Luva e Game Boy Club na BGS 2019

O saldo da BGS

Como meu primeiro ano na BGS, confesso que fiquei muito impressionado. Poucas coisas na organização deixaram a desejar, mas vi que foram corrigidas ao longo dos dias de evento.

Os jogadores e o público em geral ao meu ver são o grande capital desse evento, com pessoas que nem se conhecem dividindo um canto de chão para comer (fiz isso com uma galera lá de Minas), os cosplayers sempre dispostos a interagir e trazer imersão ao evento, o espaço dos jogos Indies fantástico que me mostrou como nosso cenário de desenvolvedores é genial e precisa ainda mais do nosso reconhecimento.

Sem dúvida a Brasil Game Show é uma experiência que recomendo e vai entrar no calendário fixo para o ano de 2020! Espero ano que vem participar da BGS e encontrar a galera que curte o Game Boy Club por lá para jogarmos alguma coisa!

Agradeço ainda aos amigos Tiago do Canal Theparça27, ao Rogério Marrara e ao grande colecionador Giovani Gilão que também pude conhecer pessoalmente durante o evento!

Para mais fotos da BGS, sigam meu Instagram

OBS FINAL: O Erick designer master das galáxias do Game Boy Club também esteve lá e acreditem se quiser, não tiramos uma foto para postar para nossa equipe! Ta me devendo mas foi excelente te ver lá!

Artigo Anterior
Vamos falar de TETRIS!
Próximo Artigo
Revista Jogo Véio Nº 7 trás nostalgia e...


Comentários


QSOB


Compartilhe